Viagens de Avião

Como evitar problemas circulatórios em viagens longas?

Viagem de avião, sempre interessantes; viajar com familiares; a negócios; entes queridos estão partindo, ao mesmo tempo que outros estão voltando. Enfim, seja lá qual for o motivo do seu passeio, alguns cuidados se fazem necessários para o bom desfecho deste vôo.

E para um final feliz, listaremos algumas orientações sobre como ter um vôo tranquilo, talvez o mais tranquilo da sua vida, me arrisco a dizer.

Sendo assim, já se foi a época em que usávamos a melhor roupa do guarda roupa. Hoje todos optamos por conforto, roupas que não nos apertam e que nos deixem bonitas também.

Assim que subimos no avião, há aumento de pressão na cabine. E tal advento pode facilitar o inchaço nas pernas. Então, para auxiliar na redução do inchaço, procure sempre caminhar pelos corredores do avião.

E ainda assim, mantenha-se sempre hidratado e bem alimentado para .

Em vôos > 6 horas (longos), sempre bom fazer um checkup com um angiologista antes. O especialista vai te examinar mais detalhadamente, sempre pensando em como transformar sua viagem em agradável e sem intercorrências. Cabe ao especialista decidir quanto ao uso ou não de meias elásticas de compressão (algumas pessoas não podem). O médico pode também querer associar o uso de alguma medicação durante a viagem.

Segue então: Quatro dicas de alongamento dentro do avião:

Dica 1) levante uma perna, abrace o joelho e tente puxá–la em direção ao peito, segure por 10 segundos, e troque a perna.

Dica 2) alongue a perna e segure por 2 segundos, depois eleva a perna um pouco e segure por mais 5 segundos, repita com a outra perna.

Dica 3) cruze a perna e empurre gentilmente o joelho para baixo, troque a perna e repita

Dica 4) estique a perna para a frente e eleve um pouco, fazendo movimentos de maquinas antigas de costurar (em pedal) ou movimentos giratórios , sendo 10x no sentido horário 10x no sentido anti-horário

Caso as dicas sejam difíceis de fazer, ha outra alternativa menos: o uso das meias de complessão. Desde que o (a) paciente possa usar, os sintomas de dor, peso, cansaço, inchaço, formigamento, tendem a sumir. Chega até a assustar quando o paciente percebe que tem pernas e não dor.

Sendo assim, Vôos maiores de 6 horas e em pacientes possíveis, não vejo porque não usar as meias – eu particularmente não viajo sem – ainda ganho uma proteção para o frio.

E a depender do grau de comprometimento da lesão, o paciente precisará da combinação meia + medicamentos + tremer locais.


Pacientes que já sabem ter trombose em atividade, viagem normal – desde que bem orientado pelo seu médico. Isto serve para diminuir as chances de intercorrências e estragar a tão planejada viagem.

Um bom seguro viagem, informando da doença pré existente é essencial. Junto com o uso das meias elásticas de compressão e de algumas medicações específicas para trombose- todas com receitas e orientações médicas.

E se apear de tudo isso surgem pernas vermelhas e cheias de pontinhos vermelhos (parecendo mordida de mosquito?), pernas inchadas e com a pele lustrosa de tão brilhosa ou minando um líquido transparente, dor e dormência persistentes, inquietude nas pernas ou endurecimentos localizados, não perde tempo e procura um servirão de urgência. EStramoesde prontidão para vos atender.

E boa viagem!!!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.